CBK, CBKT, SKIF, JKA, KWF, CBKI, CKTB… Afinal, o que são todas estas siglas?

Bom, no Brasil atualmente temos uma grande infinidade de entidades do Karate-do. São mais de 20 confederações nacionais de karate, todas com seus campeonatos, campeões e seleções. Então vamos tentar explicar um pouco isto neste artigo!

Vamos começar explicando 2 conceitos de entidades diferentes: a Escola e o sistema Confederação/Federação.


A Escola de Karate-do é uma entidade que se preocupa com a parte técnica e pedagógica do Karate-do. Ou seja, na teoria é ela que transmite os conhecimentos, avalia e entrega as graduações para seus alunos e integrantes. Estas escolas normalmente estão ligadas a um determinado estilo de karate-do.

Os dojo/associações teriam que ser parte integrante de uma escola para receber as instruções e repassar aos seus alunos. São exemplos de escolas do estilo Shotokan: JKA (Japan Karate-do Association, a primeira fundada no tempo de Funakoshi Sensei); SKIF (Shotokan Karate-do International Federation, de Kanazawa sensei e que somos filiados) e KWF (Karatenomichi World Federation, de Yahara Sensei). Estas escolas possuem sua divisão brasileira para cuidar dos dojo daqui e fazer a “ponte” com a matriz japonesa.

A Confederação/Federação é a entidade que pode reconhecer os graus emitidas pelas escolas e deve organizar competições esportivas. A Federação representa o estado e a confederação o país. Esta última determina as regras esportivas, categorias, etc e organiza os certames para então ter uma seleção nacional que representará o país nas competições internacionais, que por sua vez são organizados por entidades mundiais. Exemplos: FKIRS (Federação de Karate Interestilos do RS) que é filiada à CBKI (Confederação Brasileira de Karate Interestilos) que é filiada à WUKF (World Union Karate-do Federation).

Então em teoria uma Confederação deveria se preocupar em organizar a parte esportiva e não o conteúdo e graduações do Karate-do. Quem faz isto é a Escola, que pode ser reconhecida e aceita pela entidade esportiva, que por sua vez  se sustentaria com a promoção dos eventos e cobrança de anuidade dos filiados à ela.

Mas acontece que no Brasil, por conta da Lei Federal 8.672/92, a chamada Lei Zico, pode-se criar no Brasil quantas entidades representativas do esporte quiser. Ou seja, hoje no Brasil temos mais de 20 confederações brasileiras de karate e todas oficiais, registradas com CNPJ e tudo! Então são mais de 20 campeões brasileiros, seleções brasileiras, etc. O mesmo a acontece a nível estadual. Por conta disto existem tantas siglas e entidades esportivas, algumas sérias e realmente preocupadas com a arte marcial, outras que só querem ganhar e expedir certificados de graduação.

Só tem um porém: embora muitas destas organizações sejam reconhecidas pelo Ministério dos Esportes, apenas UMA é reconhecida pelo COB – Comitê Olímpico Brasileiro – e portanto pode levar seus atletas filiados à Olimpíada: a CBKConfederação Brasileira de Karate, que no Rio Grande do Sul tem a FGK (Federação Gaúcha de Karate). NENHUMA outra – pelo menos até 2016 – pode dizer que sua seleção irá disputar os jogos em Tóquio.

 


Então é isso: uma Escola (JKA, KWF, SKIF, JKS, etc) ensina e gradua de acordo com a sua linhagem e normalmente um dojo é ligado à ela. Uma Confederação (CBK, CKTB, CBKT, CBKI, FBK, etc) organiza e regula competições reconhecendo as Escolas e dojo filiados! Cada uma tem suas regras e regulamentos próprios. Ao ingressar em um dojo, procure se informar em qual linha está ingressando e se este está filiado à alguém.

O mais importante de tudo: seja feliz com o Caminho das Mãos Vazias (karate-do)!

3 Comments

  1. Parabéns pela explicação!
    Ainda bem que tive o privilégio em treinar com grandes Mestres estando ligados à JKA…..

  2. Reginaldo de Oliveira Domeraski

    oss parabéns pela explicação !

  3. WELINGTON B SAMPAIO

    Acredito que as ARTES MARCIAIS em especial o KARATE é um esporte que mais cresce em todos os tempos.

    É preciso que o COI saia da caixinha e se abra para o mundo das artes marciais.

    Passou da hora de uma competição entre federações para realmente selecionar os melhores KARATECAS de todas categorias.

    Agora mais do que nunca as ARTES MARCIAIS precisamos se UNIR!!!

    PRECISAMOS união para criarmos nosso CONSELHO FEDERAL DE ARTES MARCIAIS… O BRAISL É TERRA FÉRTIL… PRECISAMOS cultivar os PRINCÍPIOS MARCIAIS DNA SOCIEDADEBRASILEIRA!!

    A criação do CONSELHO FEDERAL DE ARTES MARCIAIS é fundamental para a luta por DIREITOS TRABALHISTAS, PREVIDENCIÁRIOS E RECONHECIMENTO OFICIAL DA PROFISSÃO DE PROFISSIONAL DE ARTES MARCIAIS.

    ESTAMOS JUNTOS!!!

    PROF. Ms. WELINGTON B SAMPAIO
    61 984553176

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *